Tentação irresistível

Para os argentinos, é sinônimo de Mar del Plata, a mais tradicional das cidades da Costa Atlântica local; para os turistas, representa um dos símbolos da Argentina. O alfajor Havanna carrega em seu DNA boa parte da identidade nacional.

Os argentinos que têm mais de 35 anos costumam se lembrar da emoção da viagem até a Costa Atlântica para poder conseguir “um Havanna”. Houve um tempo em que todo bom viageiro que visitasse Mar del Plata devia trazer caixas para os amigos e conhecidos. E não faltavam aqueles que aproveitam as férias na praia para fazer um estoque de alfajores para o ano inteiro. E isso porque o aroma, o sabor e a textura dos alfajores Havanna sempre foram sinônimo de verão e de férias… E no verão e nas férias, todos nós somos um pouco mais felizes.

Hoje em dia, para a sorte das lojas e dos visitantes, é possível desfrutar de um alfajor Havanna praticamente em todas as esquinas da cidade de Buenos Aires, em muitas lojas situadas no interior do país e até em vários outros países do mundo. Pois a Havanna, empresa condecorada com a distinção de Marca País, foi crescendo até se instalar na vida cotidiana dos argentinos, representando o país fora das fronteiras.

Na Argentina, os alfajores são a guloseima mais vendida. Os números garantem que, diariamente são vendidos por volta de seis milhões de unidades em todo o país. “O sucesso reside em que o consumidor os considera como um prazer que ele pode se dar e qualquer momento, e que, além do mais, ajuda a saciar o apetite”, explica Alan Aurich, gerente geral da Havanna, quem acrescenta: “No nosso caso, é premissa o fato de jamais economizar na elaboração do produto, Os alfajores continuam sendo feitos em Mar del Plata, para logo ser transportados para todas as lojas, incluindo as da América Latina. Quase como a fórmula do famoso refrigerante cola, a receita dos alfajores Havanna constitui também um bem muito apreciado. Há os que dizem que o segredo do distinguido sabor está na massa. Mas, na verdade, esteja onde estiver, trata-se de um sabor tão presente nos paladares argentinos que já deu nome a sorvetes,

Da Argentina para o mundo

Nascida no coração de Mar del Plata, a empresa demorou alguns anos em estar presente fora das margens da cidade da costa. E conseguiu isso logo de formar uma rede de negócios tipicamente argentinos onde se combina a venda dos alfajores, de bolachas, cones recheados com doce de leite e outras delícias, contando também com o serviço de cafeteria. O ponto de viragem ocorreu quando começamos a comercializar o café Illy, que primeiro se bebia “em pé”, e era consumido por aqueles que estavam “de passagem”, mas logo fomos colocando mesas e cadeiras. Com esse modelo, chegamos a ter as quase duzentas lojas que existem atualmente, comenta Aurich.

Com o crescimento da Havanna em nível local, chegou também a expansão internacional, mas o sabor continuou sendo e ainda é o mesmo de sempre. “ Os alfajores e os outros produtos que exportamos são exatamente iguais aos que produzimos, comercializamos e comemos aqui, só trocamos o pacote e utilizamos o sistema de embalagem a vácuo, que também se aplica na Argentina aos alfajores que se vendem nos supermercados. Além disso, temos um projeto com a alfândega, sendo a primeira empresa em ter ali o seu próprio depósito: dessa forma podemos controlar todo o processo desde sua origem, garantindo que o produto chegue mais rápido aos consumidores.

“A informação fornecida pelos sites mencionados é de absoluta responsabilidade de seus editores. O Instituto Nacional de Promoção Turística não se responsabiliza pelos dados ali publicados”.

Voltar

Você também pode gostar

Comentários

Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores e as consequências derivadas dos mesmos podem ser passíveis de sanções legais.