Buenos Aires, cidade de livros

Terra de autores, a capital da Argentina é também um paraíso para os leitores. Segundo o evento World Cities Culture Forum 2014, Buenos Aires é a cidade do mundo com mais livrarias: tem um total de 467, aproximadamente 25 por cada 100 habitantes.

* Cidade de escritores, de editores e de leitores, Buenos Aires destila literatura. Em 2011 foi destacada como Capital Mundial do Livro pela UNESCO, a Associação Internacional de Editores (IPA), a Federação Internacional de Livreiros (IBF) e a Federação Internacional de Associações de Bibliotecas (IFLA).

Em Buenos Aires estão as casas que foram habitadas por Jorge Luis Borges, Julio Cortázar, Roberto Arlt, Oliverio Girondo. Está o parque onde Ernesto Sábato situou cenas fundamentais de Sobre héroes y tumbas (Parque Lezama); a praça onde Luis Cané via passar as mulheres mais belas (Praça Flores); existem esquinas literárias (como a interseção de Scalabrini Ortiz e Las Heras do Diario de la Guerra del Cerdo de Bioy Casares) e hotéis onde se alojaram grandes nomes da literatura internacional (o Castelar que contou Federico García Lorca); passeios, teatros e barzinhos que inspiraram as penas (canetas) de todas as épocas. Terra de autores, a capital da Argentina é também um paraíso para os leitores.

Segundo o evento World Cities Culture Forum 2014, Buenos Aires é a cidade do mundo com mais livrarias: tem um total de 467, aproximadamente 25 por cada 100 habitantes.

O leque de livrarias portenhas inclui as chamadas generalistas e as temáticas, especializadas em filosofia e ciências sociais, em cinema, em teatro, em histórias em quadrinhos, em arquitetura e desenho, em religião, em publicações editadas em diversos idiomas, esoterismo, e, é claro, no público infantil Existem redutos históricos e lugares pertencentes às grandes redes internacionais. Aquelas que estão integradas nos cafés, charmosas e irresistíveis; e as livrarias ‘de viejo’ (especialistas em velharias), espécie de guarida onde os leitores que procuram tesouros, acumulam livros fora de catálogo, ofertas irresistíveis, edições antigas e curiosidades que esperam ser descobertas por românticos perseverantes. Pois, como Borges, que considerava a livraria La Ciudad, situada na mítica Galeria del Este (Maipú 971), sua “segunda casa”, em Buenos Aires todos têm a sua livraria predileta. Talvez por isso a capital argentina tenha o orgulho de contar com a livraria (aberta) mais antiga do continente: a Librería de Ávila, situada no o centro histórico (na esquina de Alsina e Bolívar), suas origens se remontam ao final do século XVIII e a lenda diz que foi ali onde se vendeu, em 1801, o primeiro jornal local. Buenos Aires ostenta, também, a maior livraria da região: a Livraria Ateneo Grand Splendid, situada na Avenida Santa Fe nro. 1860, onde estava radicada uma das mais belas salas portenhas de teatro e cinema, foi destacada pelo jornal britânico The Guardian como a segunda mais linda do mundo; conta com mais de 120 mil títulos, uma loja de discos, uma videoteca e um andar para exposições. Porém, é no centro portenho, sobre a Rua Corrientes e Avenida de Mayo, indo de Callao em direção a “el bajo”, onde se concentra a maior parte das livrarias: abertas até altas horas da noite, dispondo de muito bons catálogos.

Quem procura ofertas ou persegue estranhezas, pode encontrar joias usadas nas numerosas feiras de rua, principalmente no Parque Rivadavia, no Parque Centenário e na Praça Itália.

Contudo, em todas as livrarias, tanto nas tradicionais como a Losada, a Hernández ou a Prometeo quanto nas modernas como a Eterna Cadencia ou a Crack Up, o mais importante é que exista um livreiro, esse personagem que ha de ser sempre o nexo perfeito entre um bom livro e o leitor adequado.


Para Agendar

– Berço de uma potente, histórica e renovada indústria editorial, todo ano entre os meses de março e abril- é anfitriã de um evento que reúne os autores, as editoras e um público leitor sumamente heterogêneo: a Feira Internacional do Livro de Buenos Aires. Além disso, no mês de Julho, durante as férias de inverno, os pequenos leitores também têm sua própria Feira do Livro Infantil e Juvenil.

– A Rua Corrientes, eixo eterno da vida noturna e da boemia de Buenos Aires, é sede anualmente – entre os meses de novembro e dezembro-, da Noite das livrarias (também chamada Noite dos livros), um evento cultural que inclui apresentações de livros, mesas redondas e recitais temáticos na calçada dos comércios, formando um corredor de livros único.


10 Imperdíveis

  • LIBRERIA ALBERTO CASARES (Suipacha 521). Com uma excelente seleção de esgotados, antigos, raros e curiosos, inclui em seu catálogo primeiras edições e livros de viagens.
  • LA CRUJÍA (Tucumán 1999). Especializada em comunicação, educação, cultura e ciências sociais.
  • GUADALQUIVIR (Callao 1012). Oferece livros de filosofia, literatura europeia e ciências sociais, dispõe de uma seção específica de cinema e teatro.
  • LIBRERÍA NORTE (As Heras 2225). Legendária livraria de Héctor Yánover, um dos mais renomados livreiros do país. História, literatura, poesia, filosofia, antropologia, filosofía oriental, medicina alternativa e teatro são suas especialidades.
  • OTRAS LETRAS (Soler 4796). Primeira livraria especializada em títulos de temática gay, lésbica e transexual.
  • ETERNA CADENCIA (Honduras 5574). Livraria, café e restaurante: um ámbito ideal para bate-papos e oficinas no coração de Palermo.
  • LIBROS DEL PASAJE (Thames 1762). Um encantador salão que evoca uma típica casona velha de Palermo com livros de literatura geral, história, ciências sociais, infantil, arte, cinema e teatro.
  • CLÁSICA Y MODERNA (Callao 892). Especializada em livros de disciplinas humanísticas, incorpora a sua proposta literária um delicioso café e um variado cartaz cultural.
  • LA NUBE (Jorge Newbery3537). A primeira biblioteca/livraria do país em dedicar-se à venda especializada de material de leitura para crianças.
  • EL LIBRO DE ARENA (Aráoz 594). Dedicada exclusivamente à difusão e venda de livros infantis e juvenis, apresenta títulos nacionais, estrangeiros, joias e estranhezas.

“A informação fornecida pelos sites mencionados é de absoluta responsabilidade de seus editores. O Instituto Nacional de Promoção Turística não se responsabiliza pelos dados ali publicados”.

Voltar
linea

Você também pode gostar

Comentários

Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores e as consequências derivadas dos mesmos podem ser passíveis de sanções legais.