Bariloche, capital nacional do chocolate

A patagônica cidade de San Carlos de Bariloche, na província de Rio Negro, é um mundo repleto de sabores, que se estende das marmeladas caseiras de frutas finas até as deliciosas cervejas artesanais, incluindo os defumados, fatores estes que incitam a desfrutar do paladar. E entre tantas delícias, destaca-se um (doce) sabor que conquista todas as gerações e culturas: o chocolate.

San Carlos de Bariloche, a cidade informalmente conhecida como “a porta norte da Patagônia andina”, um dos maiores centros de esqui da Argentina e destino favorito dos estudantes para concretizar a sonhada e tradicional viagem que realizam os formandos na Argentina, quando culmina o ensino médio, é também, a Capital Nacional do Chocolate. Percorrer suas ruas empedradas deixando-se levar pelo encanto de sua arquitetura, que parece ter saído de um conto de fadas, representa um convite irresistível para os viageiros mais gulosos. Situada nas margens do lago Nahuel Huapi, Bariloche concentra a maior produção de chocolate do país. E enquanto as paisagens deleitam a vista, o chocolate representa para o olfato e o paladar a promessa de viver uma experiência de pleno deleite.

Um passeio irresistível

O aroma único do chocolate inunda todos os cantos desta belíssima localidade da Patagônia. Nas redondezas do Centro Cívico abundam as chocolatarias, abrangendo desde amplos locais de redes reconhecidas até pequenos comércios de tradição familiar. Nas vitrines, o chocolate aparece com tantas formas e combinações que se torna irresistível: bombons, trufas, em rama; combinado com frutas secas, com uvas passas ou doces; em formais e exclusivas apresentações e transformado em figuras especialmente pensadas para atrair e divertir as crianças. Sem distinção em função da estação do ano ou da temperatura do entorno, em muitos destes autênticos templos do chocolate é possível apreciar a elaboração à vista e degustar diversas variedades.

É muito comum querer levar tudo para casa…

Raízes de uma (doce) tradição 

A história conta que a produção chocolateira começou em Bariloche com a chegada dos imigrantes europeus, por volta de 1940. Homens e mulheres que encontraram na região dos Lagos uma geografia similar à de seus lugares de origem e um clima favorável para a produção, e o consumo, de chocolate. Assim, o primeiro em fundar uma chocolataria seria o italiano Aldo Fenoglio. Ao pouco tempo, outro imigrante europeu, Benito Secco, chegaria à cidade com suas panelas de cobre e seus conhecimentos chocolateiros. Com o sucesso alcançado pelo desenvolvimento dos empreendimentos fundados por estes dois pioneiros, não demorariam em erguer-se outros, transformando o chocolate em marca registrada da identidade da cidade.

Hoje, a história do cacau e seu delicioso derivado —que tem mais de dois mil anos— pode ser vislumbrada no Museu do Chocolate, um passeio recomendado para fanáticos e curiosos de todas as idades.

Mais inf: www.barilocheturismo.gob.ar

“A informação fornecida pelos sites mencionados é de absoluta responsabilidade de seus editores. O Instituto Nacional de Promoção Turística não se responsabiliza pelos dados ali publicados”.

Voltar
linea

Experiências relacionadas

Chocolates, cervejas artesanais defumangens na Patagonia Andina

birrasss

Sabores herdados que falam de antigos costumes europeus e hoje são os imperdíveis das cozinhas locais.

Ver +

Cartões Postais de Patagônia na regiã o dos lagos

bastapat

Cores, formas e detalhes que variam com a luz do sol e a estação do ano. Cenários naturais ideais para os amantes da fotografia.

Ver +

A intensa vida noturna de Bariloche

barilo

Entre bosques, montanhas e nas margens do impactante Lago Nahuel Huapi, uma cidade que bate ao compasso das grandes urbes do país.

Ver +

Você também pode gostar

Comentários

Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores e as consequências derivadas dos mesmos podem ser passíveis de sanções legais.