A pizza, uma paixão de multidões (portenhas)

Para os argentinos, a pizza é coisa séria. Seja ao molde, meia massa o à pedra, cada “pizzômano” tem sua preferência e, portanto, sua pizza favorita. Poucas coisas despertam tanto fanatismo nos homens e mulheres desta terra, mas principalmente nos portenhos. Aqui, algumas dicas para entender um sabor que é sinônimo de Buenos Aires.

O dado
O fanatismo portenho pela pizza chegou a tal ponto que todo ano se comemora em Buenos Aires a #Muza5k, uma maratona de cinco quilômetros durante a qual são visitadas oito pizzarias para terminar escolhendo a melhor da “calle Corrientes”, o circuito da pizza por excelência.

Não deixa de ser surpreendente que a pizza, um prato tão globalizado que não há de existir canto na terra que não tenha sua própria versão (dizem que até na Ilha de Pascoa é popular) e que é tão fácil de preparar, desperte tantas paixões entre seus cultores portenhos.

A pizza portenha é única no mundo e é produto de um processo que começou há mais de um século e meio atrás. Foi nas margens do Riachuelo, no bairro da Boca, onde um conjunto de imigrantes italianos a amassaram por primeira vez. Mas a distância da Itália, junto com a ausência de alguns ingredientes originais – e a memória que em algum momento começou a falhar– fez da pizza argentina uma comida muito diferente da original: em geral, a massa é mais grossa e esponjosa e a quantidade de queijo é muito mais abundante.

Uma forma muito portenha de consumir a pizza é “al corte”, isto é, por porção e “de parado”, ou seja, em pé, no balcão do lugar escolhido e junto com uma fainá (massa de farinha de grão-de-bico de origem genovesa que os portenhos, vá saber o porquê, colocamos em cima da pizza). A cerveja parece ser a bebida preferida para acompanhá-la, mas um bom copo de moscato (vinho doce), cai muito bem.

Variante muito autóctone, e relativamente nova, é a pizza grelhada (inevitável? no país do assado), não somente com mozzarella, mas até com verduras. Embora os entusiastas mais tradicionais se orientem para os sabores mais clássicos: mozzarella, napolitana e fugazzeta. De fato, esta última variedade é muito autóctone: conta a lenda que foi criada pelo genovês Agustín Banchero, que imaginou no início do século passado uma deliciosa pizza com cebolas à qual acrescentou quantidades desproporcionadas de queijo. Hoje, esse sobrenome é sinônimo da fugazzeta com queijo, além de ser o nome de uma das pizzarias mais renomadas de Buenos Aires.

Para apoiar com números esta exaltação que os portenhos fazem (fazemos) da pizza, as últimas estadísticas do setor estimam que em Buenos Aires existem quase 700 pizzarias (acredita-se que pode superar o número de churrascarias), com uma média de consumo diário por local em volta das 60 unidades. Isso significa que, anualmente, os portenhos consomem (consumimos) aproximadamente 14 milhões de pizzas.

Uma guia (não excludente)
Correndo então o risco de provocar a irritação dos pizzômanos mais fundamentalistas, expomos a seguir uma seleção aleatória, pessoal (e diversa) de 10 exímias pizzarias portenhas:

O verdadeiro clássico indiscutível da “calle Corrientes” e para muitos a melhor pizza de Buenos Aires. Ideal para comer de pé em seus balcões. Quantidade de calorias por porção: incalculável.

  • Angelín Córdoba 5270, Villa Crespo.

Imperdível a pizza de cancha, creação e especialidade da casa.

Legendário templo da fugazzeta com queijo.

  • El Cuartito Talcahuano 937, Recoleta.

Para os amantes da pizza e do esporte: paredes estampadas com as grandes glórias do futebol e do box.

Outro clássico portenho, embora mais senhorial. Sua especialidade: a pizza à pedra.

Fundada no começo dos ‘60 por dois grandes do futebol dos cinquenta: Mario Boyé (Boca) e René Pontoni (San Lorenzo), é o santuário do bairro de Nuñez.

  • Nápoles Corrientes 5588, Villa Crespo

Uma tradição de Villa Crespo: a fugazzetta recheada não admite comparação.

  • La Mezzetta Álvarez Thomas 1321, Chacarita / Villa Urquiza.

Para muitos, a Meca da pizza de molde, sem dúvida a mais voluptuosa. O estandarte da casa, a fugazzetta recheada.

A variedade e abundância dos ingredientes é a característica desta popular pizzaria.

Um segredo bem guardado que vale, o apetite, conhecer.

“A informação fornecida pelos sites mencionados é de absoluta responsabilidade de seus editores. O Instituto Nacional de Promoção Turística não se responsabiliza pelos dados ali publicados”.

Voltar

Você também pode gostar

Comentários

Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores e as consequências derivadas dos mesmos podem ser passíveis de sanções legais.